Notícias da UFRPE

Subscribe to Notícias da UFRPE feed
Updated: 1 hour 31 min ago

Divulgado resultado preliminar da Eleição CPA 2017

1 hour 45 min ago
Postado em qui, 23/11/2017 - 17:16

Conforme previsto no Art. 11 do Edital CPA Nº 01, a Comissão Coordenadora de Eleição publica o resultado preliminar da eleição de membros docentes e técnico-administrativos para composição da CPA-UFRPE | Ciclo Avaliativo 2018-2020.

Confira no anexo o resultado preliminar do processo eleitoral. 

 

Documento:  Comunicado 02_Comissão Coordenadora da Eleição_EDITAL_CPA_UFRPE_Nº01_2017_Resultado preliminar da eleição.pdf

Revista Geama convida comunidade universitária para integrar corpo editorial

3 hours 27 min ago
Postado em qui, 23/11/2017 - 15:35

A equipe da Revista Geama, vinculada ao Departamento de Tecnologia Rural (DTR), convida a comunidade universitária para compor seu corpo editorial. Professores podem participar como editores de seção da publicação. Os servidores técnico-administrativos podem exercer a função de secretário ou designar gráfico da Geama.

Requisito para editor de seção:

Professores da UFRPE, doutores, com experiência na plataforma OJS ou que tenha interesse em aprender de forma rápida, com ligação ou experiência nas linhas de pesquisa que englobem umas dessas seções:  a) Ciências Alimentares com ênfase ambiental; b) Climatologia e Meio Ambiente; c) Geotecnologias Aplicadas ao Meio Ambiente; d) Estudos Ambientais; e) Recursos hídricos e Tecnologia ambiental.

Requisitos para secretaria da revista: Interesse em trabalhar na plataforma OJS.

Obs.: A revista tem foco em ciências ambientais e possui qualis capes B3. A equipe está trabalhando para melhorar a qualificação da publicação.

Informações: josemachado@ufrpe.br ou 99650 0500 (whatsapp).

Estudantes de Pedagogia participam de atividades em Vicência

3 hours 44 min ago
Postado em qui, 23/11/2017 - 15:18

 

Uma equipe de aproximadamente 40 alunos e 3 professores do curso de Pedagogia da Universidade Rural de Pernambuco (UFRPE) estiveram, na manhã desta terça-feira(21), fazendo uma visita a Escola Municipal Afrânio Samuel de Oliveira Nunes, em Vicência, zona da mata norte de Pernambuco.

O objetivo dos educadores da disciplina de Educação do Campo é conhecer e analisar junto com a turma o aproveitamento do espaço físico e toda metodologia aplicada no ensino das escolas de educação infantil, de acordo com a proposta do PEADS (Proposta Educacional de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável), inserido no município.

O momento contou também com apresentações pedagógicas, exposições dos trabalhos desenvolvidos em sala, e uma roda de diálogo entre alunos, professores e a secretaria municipal de educação, Eliane Silveira.

No período da tarde, a visita dos universitários se estende à escola da comunidade rural Imbú, que permitirá um melhor aprimoramento da atividade interdisciplinar que está sendo desenvolvida por eles nas escolas do campo.

Com informações da Ascom/Prefeitura de Vicência

 

 

Professor da UFRPE lança livro de crônicas

3 hours 51 min ago
Postado em qui, 23/11/2017 - 15:11

Pesquisas dão conta que 44% não tem o hábito da leitura constante e 30% nunca comprou um livro sequer. As razões para o brasileiro não ler são várias e vão desde a falta de interesse até a impossibilidade de adquirir livros. Uma das consequências disso é um povo sem o hábito da leitura é o de pouco escrever. O cenário pode ser apocalíptico para muitos, mas não para o professor João Morais de Sousa, do Departamento de Ciências Sociais, que capitaneou um projeto audacioso de leitura e escrita em escolas públicas de Pernambuco.

O projeto, em certa medida, remete às origens de João de Sousa: “Sou de escola pública e sei como é difícil. A leitura é um despertar é um mundo novo que se abre, é onde se colocam os sonhos para amenizar a dura realidade que esses alunos enfrentam diariamente”, afirma. “A leitura é uma ferramenta importante para despertar o olhar crítico em quem lê.”, completa.

O projeto de fomento e leitura e à escrita atingiu cerca de 1000 estudantes, cerca de 100 por escola, e os incentivou a, também, escreverem crônicas. Alice Maria Araujo, da Escola João Pessoa Guerra, em Igarassu escreveu a crônica “o fim do amor”

 

“Crente que o amor era real, a adolescente Maria se deixou levar por um jovem, que aparentemente era o amor da sua vida. Como se diz no ditado popular, "Tudo no começo são flores" e era isso o que acontecia com ela. Se apaixonou por um desconhecido, que não lhe retribuiu com o mesmo amor. Maria achava que tudo era flores e que ninguém iria separá-los. Não sabia ela que quem iria errar era o próprio”.

 

Destacando a importância deste tipo de atividades, o professor João Sousa diz que “a escola precisa ser um lugar de progresso, onde exista uma relação dialógica entre professor e aluno. Hoje, não mais tanto espaço para essa relação tão vertical. Os alunos quando provocados a serem protagonistas das suas crônicas desperta neles uma veia até então desconhecida. O professor entra nesse processo para ser um supervisor”.

Aproveitando o ensejo, João Morais publicou o seu próprio livro de crônicas. “10 crônicas sertanejas”  é uma obra que valoriza o cotidiano sertanejo em diversas formas; desde a descrença de jorival, passando por histórias bem conhecidas como a de pessoas que vem estudar na capital até filosofias sobre a arte de sonhar e de viver. Esta última, aliás, que trata sobre a dura vida de um casal sertanejo com seus 10 filhos deixa, como toda boa crônica, uma série reflexões para o leitor fazer.

Ela, perto do final, diz que:

“O maior legado deixado aos filhos foi ensinar a sonhar e a se encantar por um mundo melhor. Sabiam que os sonhos encobrem pancadas, dificuldades e aproximam realizações. Mesmo assim, sofreram querendo oferecer mais aos filhos, embora tenha dado mais do que tinham e podiam. Acreditaram no milagre da melhora que teimou em não vir. O milagre surgido foi a capacidade de superar as adversidades”. (Para reflexão)

 

Seminário marca Dia do Rio Capibaribe nesta sexta (24/11)

8 hours 8 min ago
Postado em qui, 23/11/2017 - 10:54

Em comemoração ao Dia do Rio Capibaribe, nesta sexta-feira (24/11), a UFRPE promove o Seminário Rio Capibaribe: uma visão multidisciplinar, que irá ocorrer, durante todo o dia, a partir das 9h, no auditório da Pró-Reitoria de Extensão (PRAE), no Campus Dois Irmãos.

O evento é uma proposta dentro do contexto do projeto de extensão Rio Capibaribe: conhecer para conservar. Confirmaram presença a Drª Beatriz Mesquita da Fundação Joaquim Nabuco; o Dr. Ricardo Braga, presidente da Associação Águas do Nordeste; o Prof. Dr. Carlos Augusto França Schettini do Departamento de Oceanografia da UFPE, o Prof. Dr. Clemente Coelho Junior do Instituto de Ciências Biológicas da UPE e o Prof. Dr. Fernando Porto do Departamento de Zootecnia da UFRPE.

A ideia é promover reflexão sobre essa importante bacia hidrográfica, além de celebrar a data com apresentações culturais, como exibição de músicas pela banda Porto Mix, da escola Porto Digital, sob a batuta da professora Sônia Torres; do Documentário Capibaribes, da nascente a foz, de Canário Caliari, assim como a exposição fotográfica sobre o Rio Capibaribe, numa produção de Canario Caliari, pelas lentes de fotógrafo Daniel Castelo Branco. A exposição está aberta à visitação nos dias 23 e 24, no Hall da PRAE, num registro da situação atual do rio, com tomadas que mostram o seu trajeto da nascente a sua foz.

O evento é uma atividade integrada da UFRPE/SBPC Regional PE/FUNDAJ, na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, e contará, em sua mesa de abertura, com a presença da pró-reitora de Extensão da UFRPE, professora Ana Marinho, e demais convidados.

Confira em anexo a programação do evento.

Documento:  Programação do Seminario Rio Capibaribe visão multidisciplinar para o dia 24 11 2017 versão 18 11 2017.docx

A tecnologia na agricultura

10 hours 22 min ago

Fernando Mendes Lamas

Pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste

fernando.lamas@embrapa.br

 

Não existe qualquer tipo de dúvida que, os desafios postos à agricultura somente serão superados com a adoção de tecnologias modernas. Estas tecnologias deverão garantir a segurança alimentar em perfeita sintonia com a conservação ambiental.

Quando se fala em segurança alimentar está se referindo a disponibilidade de alimentos, produzidos em bases sustentáveis, onde a qualidade do alimento e como este alimento é produzido é essencial. A qualidade terá cada vez mais peso na hora do consumidor decidir sobre o que ele vai consumir. Também se deve considerar, além da qualidade intrínseca do alimento, a forma como ele foi produzido, ou seja, a rastreabilidade é algo que não é mais fictício.

A tecnologia é fundamental para o aumento da produção via aumento da produtividade, e para se fazer a gestão de todos os processos envolvidos com a produção de um produto alimentício. Isto, independente da escala de produção.

Tecnologia, não deve ser confundida com algo fora da realidade. Na agricultura, a época de semeadura, a quantidade de sementes por unidade de área, a população de plantas, dentre vários outros, são exemplos de itens que interferem na produtividade, na qualidade do produto e no custo de produção. São tecnologias, simples, às vezes de custo zero.

O mundo passa por um momento onde as transformações se dão em velocidade muito alta, isto devido dentre outras coisas à capacidade de geração de conhecimento pelas instituições de pesquisa, à mobilidade e conectividade das pessoas. Muitos dos conhecimentos gerados em um centro de pesquisa rapidamente são transformados em tecnologias e incorporados aos sistemas de produção se constituindo em inovação de impacto positivo.

Resultados de pesquisa realizada na metade Sul de Mato Grosso do Sul e de São Paulo e na metade Norte do Paraná, pelo Rally da Safra (2017) apontam resultados preocupantes do ponto de vista de tecnologia agrícola. Na amostra realizada, em 83% dos casos, não se constatou a existência de terraços e em 63% dos casos, a semeadura de soja e milho não era realizada em nível. Práticas de controle a erosão como plantio em nível e uso de terraços, são tecnologias muito importantes quando se pensa em sustentabilidade da produção. Estas tecnologias são antigas, de custo relativamente baixo e proporcionam resultados extremamente importantes, pois controlam a erosão dos solos agrícolas, grave problema da agricultura brasileira. Controlar efetivamente a erosão é uma das estratégias para manter o potencial produtivo do solo.

Para que a agricultura possa continuar desempenhando o seu papel, produzindo alimentos, fibras e energia, é fundamental a adoção de tecnologias modernas, que assegurem o aumento da produtividade, a redução dos custos de produção e a oferta de alimentos com qualidade.

As instituições de pesquisa buscam continuamente desenvolver processos e/ou produtos que possam contribuir para a melhoria da produtividade e da qualidade dos alimentos, para a redução dos custos de produção, para o aprimoramento dos processos de gestão. Estes, cada vez mais necessários quando se pensa na melhoria do processo como um todo.

Segundo dados gerados a partir censo agropecuário do IBGE, em 2006, a tecnologia foi a responsável por quase 70% do crescimento da produção de grãos, enquanto em1996, a tecnologia era a responsável por 50% do aumento da produção de grãos. Esses dados, não deixam a menor dúvida sobre a importância da tecnologia no aumento da produção e, isso se dá fundamentalmente através do aumento da produtividade.

Ao mesmo tempo em que a tecnologia é fundamental para o aumento da produção, é preciso que os usuários tenham conhecimentos para que possam protegê-las. A vida útil de uma tecnologia pode ser muita curta se esta não for utilizada de forma adequada.

No Brasil, de acordo com dados publicados recentemente, vem crescendo o uso de herbicidas em áreas cultivadas com soja resistente ao glifosato. Em comparação ao ano de 2015/2016 houve um crescimento de 55% no uso de herbicidas complementares ao glifosato na cultura da soja no ano de 2016/2017. Esses dados revelam que alguma coisa não está certa. É provável que a tecnologia não está sendo utilizada de forma adequada, o que tem contribuído para o surgimento de espécies de plantas daninhas resistentes a vários herbicidas.

A tecnologia é a grande aliada do homem, na produção agrícola. No entanto, para que a tecnologia possa ser utilizada de forma adequada em beneficio do homem, cada vez mais se faz necessário o conhecimento. Somente através do conhecimento seremos capazes de utilizar de forma correta as tecnologias que são disponibilizadas a todo instante. Hoje já temos plantadeiras que são “auto propelidas”, ou seja, não precisam mais do trator para tracioná-las. As sementes, insumo da maior significância estão sendo comercializadas tendo como referencial de mensuração não mais “saco”, mas sim o número de sementes.

Poderíamos aqui enumerar centenas de tecnologias, sem esquecer que estamos na era da agricultura digital. Em recente evento realizado em Não-Me-Toque, no Rio Grande do Sul, sobre agricultura de precisão, temas ligados a agricultura digital tiveram destaque. “Como a transformação digital vai afetar a agricultura?”, esse foi um dos temas do 11º Congresso Brasileiro de Agroinformática (SBIAgro 2017), realizado de 2 a 6 de outubro, na Universidade Estadual de Campinas (SP).

Para que possa ser disponibilizado para a população alimentos, fibras e energia em quantidade e com a qualidade exigida, serão necessários sistemas de produção integrados e dinâmicos, fundamentados em ciência e tecnologia, tendo como fundamentos a economia de escopo.

Estamos na era da quarta revolução tecnológica na agricultura. “A agricultura 4.0”, com forte conteúdo digital e conectada.

Felizmente, temos muitas tecnologias disponíveis e em desenvolvimento. Tecnologias que com certeza irão contribuir para a melhoria de todo o processo de produção agrícola. No entanto, não podemos de forma alguma desconsiderar aquelas tecnologias, tidas como antigas por alguns, mas indispensáveis para assegurar níveis de produtividade dentro dos padrões almejados, especialmente quando estiver em jogo, recursos não renováveis como é solo.

Dada as dimensões e as diversidades existentes no Brasil, não podemos deixar de considerar os esforços necessários para que todos, tenham acesso às tecnologias disponíveis.

Submitted by ascom on qui, 23/11/2017 - 08:40

A TECNOLOGIA NA AGRICULTURA

Wed, 22/11/2017 - 18:31
Postado em qua, 22/11/2017 - 17:31

   

A TECNOLOGIA NA AGRICULTURA

 

Fernando Mendes Lamas

Pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste

fernando.lamas@embrapa.br

 

Não existe qualquer tipo de dúvida que, os desafios postos à agricultura somente serão superados com a adoção de tecnologias modernas. Estas tecnologias deverão garantir a segurança alimentar em perfeita sintonia com a conservação ambiental.

Quando se fala em segurança alimentar está se referindo a disponibilidade de alimentos, produzidos em bases sustentáveis, onde a qualidade do alimento e como este alimento é produzido é essencial. A qualidade terá cada vez mais peso na hora do consumidor decidir sobre o que ele vai consumir. Também se deve considerar, além da qualidade intrínseca do alimento, a forma como ele foi produzido, ou seja, a rastreabilidade é algo que não é mais fictício.

A tecnologia é fundamental para o aumento da produção via aumento da produtividade, e para se fazer a gestão de todos os processos envolvidos com a produção de um produto alimentício. Isto, independente da escala de produção.

Tecnologia, não deve ser confundida com algo fora da realidade. Na agricultura, a época de semeadura, a quantidade de sementes por unidade de área, a população de plantas, dentre vários outros, são exemplos de itens que interferem na produtividade, na qualidade do produto e no custo de produção. São tecnologias, simples, às vezes de custo zero.

O mundo passa por um momento onde as transformações se dão em velocidade muito alta, isto devido dentre outras coisas à capacidade de geração de conhecimento pelas instituições de pesquisa, à mobilidade e conectividade das pessoas. Muitos dos conhecimentos gerados em um centro de pesquisa rapidamente são transformados em tecnologias e incorporados aos sistemas de produção se constituindo em inovação de impacto positivo.

Resultados de pesquisa realizada na metade Sul de Mato Grosso do Sul e de São Paulo e na metade Norte do Paraná, pelo Rally da Safra (2017) apontam resultados preocupantes do ponto de vista de tecnologia agrícola. Na amostra realizada, em 83% dos casos, não se constatou a existência de terraços e em 63% dos casos, a semeadura de soja e milho não era realizada em nível. Práticas de controle a erosão como plantio em nível e uso de terraços, são tecnologias muito importantes quando se pensa em sustentabilidade da produção. Estas tecnologias são antigas, de custo relativamente baixo e proporcionam resultados extremamente importantes, pois controlam a erosão dos solos agrícolas, grave problema da agricultura brasileira. Controlar efetivamente a erosão é uma das estratégias para manter o potencial produtivo do solo.

Para que a agricultura possa continuar desempenhando o seu papel, produzindo alimentos, fibras e energia, é fundamental a adoção de tecnologias modernas, que assegurem o aumento da produtividade, a redução dos custos de produção e a oferta de alimentos com qualidade.

As instituições de pesquisa buscam continuamente desenvolver processos e/ou produtos que possam contribuir para a melhoria da produtividade e da qualidade dos alimentos, para a redução dos custos de produção, para o aprimoramento dos processos de gestão. Estes, cada vez mais necessários quando se pensa na melhoria do processo como um todo.

Segundo dados gerados a partir censo agropecuário do IBGE, em 2006, a tecnologia foi a responsável por quase 70% do crescimento da produção de grãos, enquanto em1996, a tecnologia era a responsável por 50% do aumento da produção de grãos. Esses dados, não deixam a menor dúvida sobre a importância da tecnologia no aumento da produção e, isso se dá fundamentalmente através do aumento da produtividade.

Ao mesmo tempo em que a tecnologia é fundamental para o aumento da produção, é preciso que os usuários tenham conhecimentos para que possam protegê-las. A vida útil de uma tecnologia pode ser muita curta se esta não for utilizada de forma adequada.

No Brasil, de acordo com dados publicados recentemente, vem crescendo o uso de herbicidas em áreas cultivadas com soja resistente ao glifosato. Em comparação ao ano de 2015/2016 houve um crescimento de 55% no uso de herbicidas complementares ao glifosato na cultura da soja no ano de 2016/2017. Esses dados revelam que alguma coisa não está certa. É provável que a tecnologia não está sendo utilizada de forma adequada, o que tem contribuído para o surgimento de espécies de plantas daninhas resistentes a vários herbicidas.

A tecnologia é a grande aliada do homem, na produção agrícola. No entanto, para que a tecnologia possa ser utilizada de forma adequada em beneficio do homem, cada vez mais se faz necessário o conhecimento. Somente através do conhecimento seremos capazes de utilizar de forma correta as tecnologias que são disponibilizadas a todo instante. Hoje já temos plantadeiras que são “auto propelidas”, ou seja, não precisam mais do trator para tracioná-las. As sementes, insumo da maior significância estão sendo comercializadas tendo como referencial de mensuração não mais “saco”, mas sim o número de sementes.

Poderíamos aqui enumerar centenas de tecnologias, sem esquecer que estamos na era da agricultura digital. Em recente evento realizado em Não-Me-Toque, no Rio Grande do Sul, sobre agricultura de precisão, temas ligados a agricultura digital tiveram destaque. “Como a transformação digital vai afetar a agricultura?”, esse foi um dos temas do 11º Congresso Brasileiro de Agroinformática (SBIAgro 2017), realizado de 2 a 6 de outubro, na Universidade Estadual de Campinas (SP).

Para que possa ser disponibilizado para a população alimentos, fibras e energia em quantidade e com a qualidade exigida, serão necessários sistemas de produção integrados e dinâmicos, fundamentados em ciência e tecnologia, tendo como fundamentos a economia de escopo.

Estamos na era da quarta revolução tecnológica na agricultura. “A agricultura 4.0”, com forte conteúdo digital e conectada.

Felizmente, temos muitas tecnologias disponíveis e em desenvolvimento. Tecnologias que com certeza irão contribuir para a melhoria de todo o processo de produção agrícola. No entanto, não podemos de forma alguma desconsiderar aquelas tecnologias, tidas como antigas por alguns, mas indispensáveis para assegurar níveis de produtividade dentro dos padrões almejados, especialmente quando estiver em jogo, recursos não renováveis como é solo.

Dada as dimensões e as diversidades existentes no Brasil, não podemos deixar de considerar os esforços necessários para que todos, tenham acesso às tecnologias disponíveis.

DMV inaugura sala didático multimídia de diagnóstico por imagem

Wed, 22/11/2017 - 17:40
Postado em qua, 22/11/2017 - 16:40

O Departamento de Medicina Veterinária da UFRPE inaugura , no próximo dia 04/12/2017,  A SALA DIDÁTICO MULTIMÍDIA DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM - ZEUS. Segundo a professora Jacinta Eufrasia Brito Leite, responsável pelo espaço, a sala será importante para as aulas práticas dos alunos:  "O referido espaço é de fundamental importância para realização de aulas práticas de diagnóstico por imagem, estudo de casos clínicos e apresentação de trabalhos científicos desenvolvidos no Setor, beneficiando alunos, monitores e estagiários que pretendem atuar nessa área". A docente não esconde a felicidade por esta inauguração: "Na realidade é a realização de um sonho" conclui. O momento incluirá na sua programação uma aula inaugural, seguida de momento de descontração.  

Medicina Veterinária realiza sorteio de novos escaninhos

Wed, 22/11/2017 - 16:57
Postado em qua, 22/11/2017 - 15:57

 O Departamento de Medicina Veterinária realiza sorteio de novos escaninhos para estudantes regularmente matriculados. Serão disponibilizados 85 escaninhos na modalidade Sorteio e apenas 10 escaninhos na modalidade Reserva.

Podem participar alunos a partir do 1º período, e que não estejam contemplados com escaninhos antigos. As inscrições podem ser feitas entre 27 e 30/11. Para a modalidade Sorteio, as inscrições serão realizadas no Setor de Apoio Didático do DMV, no horário das 8h às 12h e de 13h às 17h. Na modalidade reserva o aluno deverá fazer sua solicitação a Direção do DMV/Apoio Didático e formalizar seu pedido no Setor de Comunicação para formar processo, no horário de 8h às 12h e das 13h às 17h, apresentando documentos que comprovem a sua necessidade

Ao ser contemplado com o escaninho, é necessária assinatura do Termo de Responsabilidade, no ato de recepção da chave, além da apresentação do "Nada Consta" com o DMV, no ato da assinatura da Ata de Colação de Grau, junto à Secretaria Geral dos Conselhos da UFRPE, relativo à devolução das chaves do escaninho em bom estado de conservação.

Todos os estudantes ou seus representantes deverão comparecer com o Comprovante de Matrícula.

 

Documento:  Material para Divulgação dos Escaninhos.docx Termo de Responsabilidade do Escaninho - atualizado.docx

UAG abriga lançamento de Cadernos do Semiárido produzidos pela UFRPE

Tue, 21/11/2017 - 18:12
Postado em ter, 21/11/2017 - 17:12

A UFRPE promove, nesta quarta-feira (23/11), o lançamento das últimas edições dos Cadernos do Semiárido, a partir das 8h, na Unidade Acadêmica de Garanhuns (UAG/UFRPE).

As publicações são do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE), sob coordenação do engenheiro civil Mário Antonino, em parceria com diversas instituições pernambucanas, sendo as últimas edições organizadas por pesquisadores da UFRPE.

 O objetivo do projeto é promover ensaios técnicos com profissionais renomados das áreas tecnológicas sobre as potencialidades da região. 

As Edições organizadas pela UFRPE estão disponíveis para download gratuito no site da Editora Universitária. Acesse neste link: http://www.editora.ufrpe.br/cadernossemiarido 

PROGRAMAÇÃO DO SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO NO AGRESTE MERIDIONAL

Garanhuns, 23 de novembro de 2017
UFRPE/UAG – Auditório

PROGRAMAÇÃO

07:30 – Café e inscrições
08:30 – Abertura
            Prof. Marcelo Carneiro Leão – Vice-Reitor da UFRPE
Prof. Mário Antonino (moantonino85.87@gmail.com) – Coordenador dos Cadernos do Semiárido e Presidente da Academia Pernambucana de Engenharia

09:00 – Painel I – A educação no contexto do Agreste de Pernambuco
            Moderador: Prof. Marcelo Carneiro Leão (marcelo.leao@ufrpe.gov)  - Vice-Reitor da UFRPE
Painelista 1 – Prof. Carlos Alberto Tavares (carlos.tavares@yahoo.com.br) – Vice Presidente em exercício da APCA (15 minutos)
Painelista 2 – Dr. Nivaldo Azevedo – Clinica de Bovinos da UFRPE, Garanhuns, PE - (15 minutos)
10:00 – 10:30 – Debate

10:00 – Painel II – As secas e seus reflexos na economia do Agreste Meridional de Pernambuco
Moderador: Sr. Alexandre Rodrigues Alves (alexandrer@pe.sebrae.com.br) – Gerente da Unidade de Gestão Estratégica – Sebrae PE
Painelista 1 – Sr. Edmilson Duarte (duarterecife@bb.com.br) – Assessor da Superintendência de Negócios e Varejo do Banco do Brasil - (15 minutos)
Painelista 2 – Prof. Airon Melo (aironuag@hotmail.com)  – Diretor da UFRPE/UAG (15 minutos
            11:00 – 11:30 – Debate
11:00 – Painel III – Cardernos do Semiárido – Aplicações e uso
            Moderador: Mauro Carneiro dos Santos (macs2004@terra.com.br) – APCA/UFRPE

11:30 – Encerramento
            Sr. Izaias Régis – Prefeito do Município de Garanhuns
Sr. Leonardo Sampaio (leonardovsampaio@yahoo.com.br)  – Presidente em exercício da APCA
            Sr. Pio Guerra (pioguerra@faepe.com.br)  – Presidente da FAEPE
        

PROPLAN participa da elaboração do planejamento estratégico do DMV

Tue, 21/11/2017 - 17:11
Postado em ter, 21/11/2017 - 16:11

O Departamento de Medicina Veterinária (DMV) da UFRPE, em parceria com a Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional (Proplan), finalizou o primeiro módulo do planejamento estratégico. A etapa foi concluída com a elaboração do Mapa Estratégico. A próxima etapa consiste na elaboração da Matriz SWOT (forças, fraquezas, oportunidades e ameaças).

O Planejamento Estratégico é um instrumento precioso para qualquer instituição, permitindo identificar metas e objetivos, traçando sua missão, visão, valores, conhecendo as oportunidades e ameaças que a cerca, os seus pontos fortes e fracos, configurando a situação atual da instituição, com profundidade e clareza, na busca pelo desenvolvimento.

 

Estudantes participam de evento sobre economia colaborativa e resíduo zero

Mon, 20/11/2017 - 18:06
Postado em seg, 20/11/2017 - 17:06

As estudantes do curso de Engenharia Agrícola e Ambiental da UFRPE Nikolle Aravanis e Thaísia Venância, estagiárias de Responsabilidade Socioambiental no Programa Mundo Limpo, participam do evento Fiepe Ambiental sobre Economia Colaborativa – como tornar possível resíduo zero. O evento é gratuito e ocorre na próxima segunda-feira (29/11), das 18h30 às 20h30, na Fiepe, com palestra de Rafa Mattos.

Por meio do programa Mundo Limpo, as estudantes e demais envolvidos realizam a coleta seletiva de óleo de fritura e desenvolvem projetos para reutilização de resíduos gerados a partir dessa coleta.

Na UFRPE, as discentes atuam sob orientação da professora Rosângela Gomes Tavares.

Fórum das Licenciaturas promove palestra sobre bullying nesta quarta

Mon, 20/11/2017 - 17:52
Postado em seg, 20/11/2017 - 16:52

O Fórum das Licenciaturas da UFRPE convida a comunidade universitária para sua reunião mensal, que será realizada nesta quarta-feira (22/11), às 15h, no auditório da Pró-Reitoria de Extensão (PRAE). 

Nesta edição, o Fórum contará com a palestra intitulada Bullying e outras formas de violência vivenciadas na escola: demandas e desafios (im)postos aos profissionais da educação.

Os certificados serão entregues aos participantes no final da reunião.

Espanhol para terceira idade tem resultado publicado

Mon, 20/11/2017 - 12:06
Postado em seg, 20/11/2017 - 11:06

   A Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Federal Rural de Pernambuco divulgou o resultado da seleção do curso de Espanhol para Terceira Idade. Inicialmente, seriam apenas 20 vagas ofertadas, mas, diante do considerável número de inscrições e das histórias relatadas pelas idosas e idosos sobre a importância do estudo de uma língua estrangeira na terceira idade, a professora Flávia Conceição resolveu ampliar o número de selecionados. A Pró-Reitoria lembra que o curso começará na próxima quarta-feira, 22 de novembro, às 14h, na sala de aula da Pró-Reitoria de Extensão da UFRPE.

Lista dos aprovados: 

 

  1. ADEILZA MARIA GOMES DA CUNHA SILVA
  2. CARLOS ALBERTO MUNIZ DO NASCIMENTO
  3.  CÉLIA MARIA LIRA BARRETO
  4.  DÉBORA ALVES DE BRITO
  5.  EDVALDO CAÚ DA SILVA
  6. ELEONORA AMORIM DA SILVA
  7.  ELIANE SUZI DE MELO CANÊJO ALVES
  8. ENICE SALES LEITE DE MELO
  9.  FILOMENA EMÍLIA GONÇALVES DA SILVA RAMOS
  10.  GILVANISE DE FREITAS MENDONÇA
  11.  IRENE IRENILDA DE AQUINO
  12.  LAUDELICE BARROS DOS SANTOS
  13.  LENI CAMPELO DE ANDRADE LIMA
  14.  LINALVA SILVA DA PAZ
  15.  LUCIA HELENA DE CARVALHO SAMPAIO
  16. MARIA DAS GRAÇAS ANDRADE DE MENDONÇA
  17.  MARIA DAS NEVES GONÇALVES DA SILVA
  18. MARIA DE LOURDES BARBOSA DO NASCIMENTO
  19.  MARIA DO SOCORRO ALENCASTRO
  20.  MARIA INALDA ANGEIRAS DE MIRANDA
  21. MARIA JOSÉ DA SILVA
  22. MARIA JOSÉ MENDONÇA DE LIMA
  23.  MARIA LÚCIA FERREIRA DA SILVA
  24.  MARIA TERESA VALENÇA
  25.  PEDRO CRESCÊNCIO FILHO
  26.  RIVALDO RAMOS DE ARAÚJO
  27. SALUSTIANO ALBINO DA SILVA
  28. SEVERINA BARBOSA DO NASCIMENTO
  29.  SONIA AMORIM QUINTELA CAVALCANTE
  30.  TÂNIA FLORE VAZ CORREIA
  31.  VIRGÍNIA MARIA LOUREIRO XAVIER CORDEIRO

Projetos de estudantes da UFRPE estão entre os 45 melhores do país no Empreenda Santander 2017

Sat, 18/11/2017 - 01:00

Em mais uma etapa do Empreenda Santander 2k17, dois projetos de estudantes da UFRPE seguem entre os favoritos para a conquista do prêmio incentivar ideias e projetos empreendedores de todo o Brasil.  Os projetos dos estudantes UFRPE Isabele Ribeiro e José Clodoaldo Silva estão entre as 45 melhores ideias do país, e seguem na disputa da premiação.

Os projetos já tinha sido classificados entre os 150 melhores na categoria Universitário Empreendedor.

Isabele Ribeiro, estudante de Engenharia Florestal, apresentou um projeto que busca facilitar a vida dos moradores de centros urbanos, para que tenham plantas em suas casas com o mínimo trabalho possível. A estudante apresentou a ideia "desenvolvimento sustentável pelo uso dos recursos naturais aliados à internet das coisas (IOT) e propriedade intelectual (PI)".

José Clodoalves da Silva Júnior, aluno do curso de Sistemas da Informação, apresentou o projeto de um aplicativo para a gestão inteligente da água na agricultura.

As propostas dos alunos da Rural podem ser vistas nos vídeos abaixo.

https://www.youtube.com/watch?v=BT5BVtn83uw&t=56s

https://www.youtube.com/watch?v=ccIBURfFKHk&t=2s

 

Publicado em sab, 18/11/2017 - 00:00

CTI destaca avanço da UFRPE na governança de TI e outros serviços

Fri, 17/11/2017 - 16:49
Postado em sex, 17/11/2017 - 15:49

A UFRPE vai bem, obrigada, quando se trata de avanços na área de Tecnologia da Informação. Isso porque, em comparação com anos anteriores e com outros órgãos do Poder Executivo, está fechando 2017 com excelentes resultados em governança em TI.

Os resultados foram apresentados durante a última reunião do Comitê de Tecnologia da Informação (CTI/UFRPE), quando foi apresentado balanço das ações estratégicas e operacionais, sendo essas executadas pelo Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI).

De acordo com o Índice de Governança de TI do TCU (IGovTI), em 2016 a UFRPE  ficou na posição 47, de 106 Instituições de Educação Superior (IES). Para se ter ideia, em 2012, a UFRPE estava na posição 90 de 95 instituições. Com os primeiros investimentos e ações da gestão, em 2014, já foi para 62, dentre 102.

No que se refere à cobertura de Internet, por exemplo, a UFRPE também comemora 100% das instalações, do litoral ao Sertão, com link de acesso provido pela Rede Nacional de Pesquisa (RNP), muitos dos quais tendo sua velocidade aumentada nos últimos meses. Somente em 2017, as Unidades Acadêmicas de Garanhuns (UAG) e de Serra Talhada (UAST) passaram de 40 para 100Mbps.

Segundo com o diretor do NTI e membro do CTI, professor Ricardo de Souza, os resultados se dão graças não somente aos investimentos em equipamentos e serviços, mas também às ações estratégias, envolvendo planejamento, processos decisórios, estruturação de equipe, entre outros fatores.

A acessibilidade digital, item fundamental e bastante cobrado pelos órgãos de controle e pela sociedade de maneira geral, também se destaca entre os avanços em TI. O novo portal da UFRPE (www.ufrpe.br), desenvolvido pelo NTI em parceria com a Coordenadoria de Comunicação Social (CCS), está no ar desde a segunda semana de novembro, e recebe a avaliação do Avaliador e Simulador de Acessibilidade em Sítios (Ases) de 95% acessível.

O site atende aos padrões internacionais de acessibilidade digital e comunicacional, e possui ferramentas que possibilitam a leitura das informações por meio de aplicativos e ferramentas para pessoas cegas, por exemplo, por meio tanto do menu adequado quanto de serviços como descrições de todas as imagens permanentes ou publicadas nas notícias.

De acordo com o presidente do CTI e vice-reitor da UFRPE, professor Marcelo Carneiro Leão, destacam-se ainda outras ações ligadas à TI, como a transformação de toda a telefonia da UFRPE para o sistema digital VOIP, a aprovação do Plano de Dados Abertos e outros serviços que estão em fase de desenvolvimento e testes, como a implantação do Sistema Eletrônico de Informação (SEI), o serviço de nuvem, virtualização de desktop e aplicativos. E ainda a ampliação da conectividade à rede sem fio institucional (Prédios de Ensino, Departamentos Acadêmicos, Prédio Central) , a modernização da Intranet (Instalação de Switches Gerenciáveis) , a reestruturação da rede cabeada (Biblioteca, Prédios das Pró-reitorias, o atendimento ao Marco Civil da Internet e a melhoria da Segurança da Informação.

O Comitê de Tecnologia de Informação é formado por gestores dos seguintes órgãos: Vice-Reitoria, NTI, Pró-Reitorias de Administração (PROAD) e Planejamento e Desenvolvimento Institucional (Proplan), Departamento de Estatística e Informática (Deinfo) e Serviço de Informações ao Cidadão (SIC).

Documento:  Gestão TI 2017.pdf

[ADITIVO] Edital de Seleção NEAD/CODAI/UFRPE Nº004/2017

Fri, 17/11/2017 - 16:00
Postado em sex, 17/11/2017 - 15:00

SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA FORMAÇÃO DE QUADRO RESERVA DE BOLSISTAS PARA AS FUNÇÕES DE PROFESSOR FORMADOR E PROFESSOR MEDIADOR A DISTÂNCIA DA REDE e-TEC-Brasil.

Anexo:  ADITIVO 001 DO EDITAL DE SELECAO NEADCODAIUFRPE N 004_2017.doc

Grupo de pesquisa em educação sonora da UFRPE apresenta minicurso no 4º Conedu

Fri, 17/11/2017 - 15:46
Postado em sex, 17/11/2017 - 14:46

O Grupo de Pesquisa em Educação Sonora da UFRPE - GPES, coordenado pelo Prof. Dr. Francisco Nairon, do Departamento de Educação da UFRPE, apresentou, na última quarta-feira (15/09/2017), um minicurso no 4º Congresso Nacional de Educação - CONEDU, que ocorre em João Pessoa, de 15 a 18 de novembro de 2017. Em tal minicurso, intitulado Educação sonora: exercitando o ouvido pensante em atividades lúdicas de escuta e criação de sons, direcionado a professores em geral, desenvolveram um conjunto de exercícios voltados para percepção, classificação e criação de sons, buscando desenvolver a audição pensante, a melhoria da percepção auditiva e da imaginação, bem como o olhar crítico para os sons de nossa sociedade, e ainda formas de melhorar seus ambientes acústicos, dialogando em torno de como as diversas disciplinas podem contribuir na formação dessa consciência auditiva. O minicurso teve a participação ainda dos mestrandos do MNPEF Joel Vieira e Airton Maciel, do mestre em Educação, Culturas e Identidades Danilo Santos, e dos graduandos Matheus Thenesi (Licenciatura em música/UFPE) e Josué Mendes (Pedagogia/UFRPE). O grupo teve ainda a apresentação de dois resultados de pesquisa na modalidade comunicação oral.

Estação de Aquicultura recebe doação de alevinos de tilápia

Fri, 17/11/2017 - 15:32
Postado em sex, 17/11/2017 - 14:32

 A Estação de Aquicultura Professor Johei Koike, do Departamento de Pesca e Aquicultura (Depaq) da UFRPE, recebeu, na semana passada, a doação de 2.500 alevinos de tilápia revertidos para macho. 

 A doação partiu da psicultura Aquabel, após solicitação dos pesquisadores da UFRPE. De acordo com o coordenador da Estação da UFRPE, professor Djaci Araújo Ferreira, a doação foi de grande importância para a Instituição, pois permitirá uma série de pesquisas e atividades práticas.

A Aquabel é líder nacional na produção e comercialização de alevinos de Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus), linhagem Tilápia Premium Aquabel, desenvolvida pelo melhoramento genético de outras linhagens introduzidas no Brasil de 2002 em diante.

 

The Daggernose Shark Is Near Extinction All signs point to a species that is now in reproductive collapse

Thu, 16/11/2017 - 18:41

Credit: Systematische Beschreibung der Plagiostomen,  Müller & Henle, 1838

A shark species named after a weapon can’t defend itself from the very real risk of extinction.

With its pointed proboscis, long jaw and muscular body, South America’s daggernose shark (Isogomphodon oxyrhynchus) looks pretty menacing. In fact, though, it’s a fairly small shark, reaching just about 1.5 meters in length. It specializes in eating small fish that school along the coast, and although that’s completely natural it’s also probably the major reason why the daggernose population has rapidly declined over the past few decades.

You see, the same shallow waters in which the daggernose swims also play host to fleets of fishermen, who all too frequently catch and kill the sharks as bycatch in large gillnets. As a result, daggernose numbers have crashed to just a tiny fraction of their historic levels. Even bycatch numbers have declined by 90 percent since the 1990s. Although the species was declared critically endangered by the IUCN in 2006, it has not recovered and now requires “urgent and effective conservation measures,” according to a paper published recently in the journal Global Ecology and Conservation.

The new study examined the status of daggernose shark populations off the coast of Brazil, one of their primary habitats in northern South America. The researchers, from Universidade Federal Rural de Pernambuco and other Brazilian institutions, found that the majority of sharks killed by gillnets in the 1990s were juveniles, an indication that the species was already facing mortality levels that it could not ultimately survive.

Things have gotten worse since then. Daggernose sharks have been legally protected in Brazil since 2006, but the researchers write that “regulations have never been enforced in Brazil” and that no regulatory mechanisms exist which could help lower the bycatch mortality rate. Meanwhile, gillnet usage in prime daggernose habitat has tripled since 1990, the paper reports.

What’s most telling about this new study is that it mostly relies on shark-capture data that’s now 26 years old. There simply aren’t enough daggernose sharks left to come up with new data about the species’ health and chances of survival. What we do know is that the threats have increased dramatically during the past three decades and that the species continues to decline. The paper concludes that despite limited protections, the daggernose shark is now, without a doubt, within the razor’s edge of extinction and lacking immediate action may soon swim away into memory.

-----

Por:  Dra. Rosangela Lessa, do Laboratório de Dinâmica de Populações Marinhas do DEPAq/UFRPE, e Dr. Francisco Marcante Santana da Silva, da UAST/UFRPE. 

Disponível em: https://blogs.scientificamerican.com/extinction-countdown/the-daggernose-shark-is-near-extinction/

 

Submitted by ascom on qui, 16/11/2017 - 17:41Tags: Extinction Countdown

Pages